Home

N.º 216, Maio-Ago. 2024 - 25 de Abril

Por Revista Colóquio/Letras, publicado em 3.5.2024 na secção Notícias

No comovente editorial escrito para este número, Nuno Júdice, que nos deixou no dia 17 de março, evoca o seu Mestre Luís Filipe Lindley Cintra, um “Homem raro” naqueles “dias de chumbo” da ditadura, “mais raro ainda nestes dias de hoje, em que sobre a cinza e a lama de tanta coisa que nos rodeia restam os valores que Lindley Cintra nos ensinou e que não morrem: a Palavra autêntica do humano, e a Poesia.” De Nuno Júdice nos fica também a luz do seu exemplo e da sua palavra.

50 anos depois da Revolução dos Cravos, que permitiu o fim da guerra colonial e o início da descolonização, republica-se, em suplemento, o mais impressionante conjunto de poemas portugueses sobre a guerra, da autoria de Fernando Assis Pacheco, que a viveu em Angola. Por via da censura, estes poemas saíram em 1972 numa “versão vietnamita” (Câu Kiên: Um Resumo) e só em 1976 se puderam publicar na versão original (Catalabanza, Quilolo e Volta). Apresenta-se agora uma edição que destaca as alterações feitas pelo autor para contornar a censura.

Sobre o 25 de Abril, as ditaduras e a guerra, a colonização e a liberdade tanto tempo ansiada, escrevem autores de hoje, nascidos em Portugal e Angola: Alice Neto de Sousa, Ana Margarida de Carvalho, Daniel Jonas, Djaimilia Pereira de Almeida, José Luís Mendonça, Margarida Vale de Gato e Tatiana Faia.
Presta-se ainda homenagem ao poeta Sebastião da Gama, no ano do seu centenário, e a Eduardo Prado Coelho, que teria agora completado 80 anos.
Mónica de Miranda é a artista convidada.
 




© Fundação Calouste Gulbenkian, 2006-2024